11 de fevereiro de 2008

Recordar é viver

Acredito que, à medida que estou a viver o presente, as memórias são como a vida a fluir no tempo, renascendo a cada instante.


Quantas vezes não vou ouvir uma música que há muito não ouvia? O mesmo acontece com outras coisas, como ver um filme, visitar um lugar... sendo a lista quase infinita. E porque o faço? As circunstâncias são variadas mas há uma razão no meu íntimo mais profundo, que entendo ser essencial: a ligação estabelecida com o mundo e com a vida.

Este laço marca a vida de uma forma especial e única. É dele que nascem as memórias e são estas que nos ligam ao passado. Porque, apesar de ser fundamental não nos prendermos a ele, é igualmente importante não pretender esquecê-lo: quer sejam bons, quer sejam maus os momentos que o constituem, são sempre os momentos da nossa vida, o reflexo das nossas vitórias e das nossas falhas. E é com ele que aprendemos a viver, isto é, a retirar lições que nos vão ajudar nas escolhas do presente, para que possamos construir um futuro que nos faça felizes.

O facto de procurar, muitas vezes, a sensação vivida anteriormente quando refaço algo, é porque, de certa forma, ela me preenche; preciso daquela sensação no presente por algum motivo. Não interessa qual; ela vai fazer sentir-me bem, mais completa, em determinado momento. E isto só é possível porque ela está impressa na memória. Só faz sentido voltar a ela porque ela já passou por mim. Então, eu não quero esquecer o passado, porque acredito que há momentos que, quando revividos, dão um significado especial à vida, e, é este é mais um motivo por que vale a pena viver.


Photobucket

4 outra(s) inspiração(ões):

José Tiago Piçarra disse...

É por isto que estás a jogar outra vez o Broken Sword...

Andy disse...

Mais um post interessante.
Estou de acordo completamente. Bons ou maus, os momentos vividos farão sempre parte do nosso passado, e os maus, apesar de serem maus, não ocorreram em vão, vão dar-nos força para não cometermos erros e já estarmos preparados para situações semelhantes no futuro (claro que depende das coisas mas . . acho que percebes o que quero dizer).

"O facto de procurar, muitas vezes, a sensação vivida anteriormente quando refaço algo, é porque, de certa forma, ela me preenche; preciso daquela sensação no presente por algum motivo."

Como dizes nesta frase, relembrar e procurar sensações vividas vão preencher-nos. Tenho um exemplo que que se passou comigo há bem pouco tempo. Antigamente eu era fanática por jogos, passava dias e noites a jogar, não via mais nada há frente. Hoje em dia, com a vida que tenho desliguei-me e vi que há mais coisas para alem disso, mas . . . domingo passado deu-me aquela saudade dos bons tempos que jogava, então tirei a tarde para jogar um jogo bem antigo ainda da ps1. E foi muito bom, soube-me muito bem!!!
(enfim talvez não seja o melhor exemplo mas pronto ;P)

Cláudia disse...

Está explicado o meu entusiasmo com as aulas de Laboratório Web! =P

Raquel disse...

adorei o post! Eu também sou uma pessoa que sente saudades dos bons tempos do passado... e claro, tu fazes parte deles. =)

Muitos beijinhos!!

PS: E uma foto comigo? Não? LOL